Meu ambiente de trabalho em 7 itens

Recebi um convite do meu amigo @diogok para descrever meu ambiente de trabalho em 7 itens, seguindo um meme que já está se tornando um legado migrando de programador para programador e se espalhando, então aqui vai o meu. E embora aqui não seja um blog para desenvolvedor, mas algo mais voltado para quem está começando ou simplesmente gosta de computador resolvi registrar aqui. Mas 7 itens é muito pouco!

Então pessoal que não está acostumado ao “papo de desenvolvedor” pulem este post, rs!

0. Mesão

Bom assim como o @diogok também gosto de um mesão, tem que ter uma mesa grande, com papel e lápis sim, tudo que vou fazer começa no lápis. Coisa antiga? Que nada, é muito mais rápido.

Também é o item 0 porque pelo o que eu vi todo mundo só falou do ambiente virtual.  Eu poderia acrescentar também uma boa cadeira, pra não ter problemas de coluna, fones de ouvido com referência de estúdio (é que componho músicas, preciso saber a qualidade sonora), um bom mouse com fio (sem fio tem que se preocupar com a pilha), pendrive (para passagem de arquivos rápidas), um cabo de rede P2P.

1. Google Chrome ou Mozilla Firefox.

Depende se eu estou navegando ou programando para Web. O Google Chrome é leve e rápido para navegar. Já se estou desenvolvendo pra web ou atualizando redes sociais, aí entra o Firefox com as extensões que deixam tudo mais rápido. O Firefox porque é uma coisa mais interna, já que a renderização de páginas no Firefox não é tão rápida quanto o Chrome, porém ele tem um suporte para desenvolvedores e para acesso a redes sociais que é ótimo.

No Firefox não fico sem as extensões Delicious (para sincronizar meus favoritos), Echofon (para conversar no Twitter, agora funciona no Linux também) e Firebug (para desenvolver para web). Tenho outras, mas essas são as essenciais.

2. Netbeans.

Sim, eu amava o Eclipse (e falava que o Netbeans era ruim, rs), mas depois eu aprendi a usar o Netbeans de uma forma que hoje eu não troco ele pelo Eclipse, mas, em raras vezes, eu necessito editar o projeto do Netbeans no Eclipse e vice-versa, achei que seria um problema, mas não foi, desde que você saiba conservar os arquivos de leiaute do Netbeans tudo fica ótimo.

3. Notepad++ ou GEdit.

Se estou no Windows, Notepad++, se estou no Linux, GEdit com extensões. Com eles edito qualquer linguagem de programação. Uma coisa muito importante que não pode faltar em nenhum dos dois é a possibilidade de edição de arquivo em formato Hexadecimal.

4. O Desktop do meu jeito.

Quando estou no Windows, ele deve imitar ao máximo o Linux, portanto barra em cima, e alguma Dock embaixo, um menu iniciar não é rápido como um aplicativo Dock. Nele sempre estão o acesso direto a tudo do FTP Sever e ao HTTP Server.

Quando estou no Linux pela primeira vez rodo o meu script e tudo fica do meu jeito, rs. Meu terminal, meus “.sh”, meu Desktop, etc, assim não dá muito trabalho. Acho que todo desenvolvedor que mexe com Linux tem seus .sh.

Adoraria neste momento estar usando o Linux, mas o driver para a placa wi-fi que tenho,  justamente para o chip dela não há suporte. Portando só consigo acesso a Internet via wi-fi no Windows, vou ter que comprar um adaptador wi-fi via USB.

5. Rhythmbox (Linux) / Winamp (Windows).

Sei que o Winamp é da AOL e tem aí uma série de coisas sobre ele, mas ele organiza muito bem a biblioteca e a busca pelas músicas é instantânea, além disso ele sempre sincroniza certinho, o iTunes vai duplicando e vira uma bagunça enorme, para mim o Windows Media Player tem uma interface muito chata perante seus concorrentes. Para vídeo, é VLC sempre, em ambos ou Media Player Classic.

Detalhe: Winamp sempre bloqueado pelo Firewall, pra não ficar consumindo banda, tudo que eu quero eu tenho local, não preciso que ele acesse a Internet para me informar algo sobre a banda que toca tal música.

Eu ouço música o tempo inteiro, mesmo lendo ou programando. Sim, também tenho a hora pra curtir música, onde eu só escuto música.

6. Gmail + Labs

Adotei o Gmail como email oficial, embora fique lento quando uma conversa tem mais de 5 emails agregados, fico com ele. Nele muitos filtros e muita organização, além de receber email de outras contas, ele é o final de uma rede de emails. O Chrome me avisa quando chegaram novos. Além disso passou a ser uma mini biblioteca com muitas respostas de listas de discussão que participo e chegam lá.

7. Tenho direito a um item 7 no virtual?

GIMP

Sim, o editor de imagens similar ao Photoshop, tenho ele no pendrive para emergências e na máquina.

Bom agora chegou a hora dos convites.

Convido o @luizpestana e o @wupsbr para participarem do meme, que foram os primeiros programadores que conheci na primeira Campus Party. Os outros que conheço não possuem blog e nem mesmo possuem um contato grande com Internet e mídias sociais para escrever sobre isso, se irritariam com isso, rs.

Até mais!

Anúncios
Meu ambiente de trabalho em 7 itens

2 comentários sobre “Meu ambiente de trabalho em 7 itens

  1. Ae, bem legal o texto! Acho que não comentei mas foi muito legal te conhecer e conversar contigo lá na #cpbr4
    “Desktop do meu jeito” é bem legal mesmo, eu meio que abri mão do desktop em si mas o navegador e o editor tem que estar “tunado” para o trabalho fluir numa boa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s