Dicas de Língua Portuguesa

Mais um artigo com dicas para escrita de textos, este contém algumas palavras e termos que sempre causam dúvida na hora de escrever. Créditos para: Maurício GARCIA e Maristela Franzoi NEVES.

Acerca de. O mesmo que sobre, a respeito de (Poucos trabalhos foram encontrados acerca deste assunto…). Note que se escreve junto. Quando escrito separadamente (a cerca de), equivale a aproximadamente (As máquinas foram posicionadas a cerca de 50 cm da parede…).

Anexado, anexo. Use anexado para expressar ação: Os resultados foram anexados para melhor compreensão…. Use anexo como adjetivo: Os resultados anexos mostram que….

A nível de. Modismo gramaticalmente incorreto. Nunca o use. Prefira em âmbito de ou no plano de. O ideal, porém, é simplesmente suprimir e preferir, por exemplo, a pesquisa foi feita no campo… ao invés de a pesquisa foi feita a nível de campo… ou a abordagem foi experimental… ao invés de a abordagem foi a nível de experimento….

Desvio padrão. O plural é desvios padrão. Em termos de. Modismo gramaticalmente incorreto. Não use.

Este, esse, aquele ou isto, isso, aquilo. Usa-se este ou isto para designar pessoa ou coisa próxima a quem fala: Esta casa é minha. / Isto me pertence. Usa-se esse ou isso para designar pessoa ou coisa afastada de quem fala e próxima a um interlocutor: Entregue-me essa arma. / Esse ano foi muito bom. Usa-se aquele ou aquilo para designar pessoa ou coisa afastada de quem fala e de quem ouve: Você viu aquilo? / Ninguém conhecia aquela técnica.

Etc. De acordo com o Acordo Ortográfico em vigor, apesar da expressão original (et cetera) conter um “e”, etc. deve sempre ser precedido de vírgula: Havia cães, gatos, vacas, etc.

Expressar, exprimir. São sinônimos: Não tenho palavras para exprimir minha gratidão. / Não tenho palavras para expressar minha gratidão. Use exprimido com ter e haver: Os valores tinham exprimido o significado exato. Use expresso com ser e estar: Os resultados são expressos em gramas. A mesma regra vale para vários outros verbos: tinha (havia) prendido, foi (era) preso; tinha (havia) suspendido, foi (era) suspenso; tinha (havia) pegado, foi (era) pego; etc.

Fazer, haver. No sentido de existir, devem sempre ser no singular: Faz dez anos que não venho aqui./ Vai fazer seis meses que estamos nesta fase./ Havia cinco animais naquele grupo experimental.

Há, a. exprime passado pode ser substituído por faz: As amostras foram colhidas há (faz) dois meses. / Há (faz) muitos anos que nenhum autor refere este fato. A exprime futuro e não pode ser substituído por faz: As amostras serão colhidas daqui a dois meses. / Estamos a dois anos do fim do experimento. Haver. Haver no sentido de existir é sempre escrito no singular: Havia (e não haviam) muitas pessoas naquela área / Não houve (e não houveram) dúvidas após a palestra.

Logaritmo. Com t mudo e sem acento. O adjetivo correspondente é logarítmico.

Mal, mau. Mal é o oposto de bem e mau é o oposto de bom: Os pacientes sentiram-se mal (bem) após receberem a medicação. / A técnica utilizada apresentou um mau (bom) rendimento.

Grama. Palavra masculina, inclusive derivados: um grama, dois miligramas, um quilograma.

Nenhum, nem um. Nenhum é antônimo de algum: Não havia nenhuma referência sobre esta técnica (Havia alguma referência…). Nem um deve ser empregado no sentido de nem um só, nem um único ou nem um sequer: Estava tão cansado que não quis tomar nem um copo d’água (sequer).

Nobel. Prêmio Nobel, sem acento, mas pronuncia-se Nobél.

Óptico, ótico. Óptico refere-se à visão, ótico refere-se à audição.

Por que, por quê, porque, porquê. Usa-se por que basicamente nas perguntas: Por que a máquina não funcionou? Também é usado para expressar motivo ou razão: Não se sabe por que (motivo) a máquina não funcionou. Usa-se por quê nos mesmos casos anteriores, mas o termo fica no fim da frase: A máquina não funcionou e não se sabe por quê. Usa-se porque quando equivale a pois: A máquina não funcionou porque (pois) não estava bem regulada. Usa-se porquê como substantivo: Não se sabe o porquê da máquina não ter funcionado.

Ratificar, retificar. Ratificar significa confirmar: Os resultados ratificaram a hipótese inicial. Retificar significa corrigir: A técnica foi retificada de acordo com os autores internacionais.

Ritmo. Com t mudo e sem acento. O adjetivo correspondente é rítmico.

Seção, secção, sessão, cessão. Seção significa divisão: Os indivíduos foram agrupados em duas seções. Secção deve ser empregado no contexto de cortar: A secção dos membros foi feita com serras elétricas. Sessão refere-se a uma reunião ou espetáculo: A sessão do Congresso começou tardiamente. Cessão é o ato de ceder: Houve a cessão de glebas a todos agricultores.

Sendo que. Recurso gramatical pobre e indesejado. Não use.

Tampouco, tão pouco. Use tampouco no lugar de também não: Não foram feitas perguntas, tampouco (também não) foram tiradas fotografias. Use tão pouco quando couber plural: Ele tinha tão pouco tempo. / Ele tinha tão poucos amigos.

Tem, têm. Tem indica singular: O grupo 1 tem vários animais. Têm indica plural: Os grupos têm o mesmo número de animais. …tem indica singular dos derivados de ter: ele contém, ele mantém, ele detém. …têm indica plural dos derivados de ter: eles contêm, eles mantêm, eles detêm. Ter de, ter que. Dê preferência a ter de, para expressar necessidade: Os dados tiveram de ser submetidos a dois tratamentos estatísticos.

Trás, traz. Trás tem contexto de posterior: Os líderes ficaram para trás. Traz é flexão do verbo trazer: A história lhe traz tristes lembranças.

Vem, vêm, …vem, …vêm, veem. O verbo vir, na terceira pessoa do singular é vem: O juiz vem aqui todos os dias. No plural é vêm: Os juízes vêm aqui todos os dias. Nos derivados de vir, o singular é …vem: ele convém, ele provém, ele intervém; no plural é …vêm: eles convêm, eles provêm, eles intervêm. Veem é uma conjugação do verbo ver: Eles veem muito bem. Ver, vir. O verbo ver, no futuro do subjuntivo assume a forma vir: Quando ele vir isso (e não “ver”). / Se eles virem os resultados (e não “verem”). / Só acreditaremos se virmos tudo (e não “vermos”). Idem para os verbos derivados: quando ele previr (e não “prever”), se nós revirmos (e não “revermos”), exceto para prover: se eu prover, quando eles proverem.

Zero. Torna invariável a palavra que o segue: A temperatura chegou a zero grau (e não “zero graus”). / O experimento começou à zero hora (e não “zero horas”). No caso de valor decimal, assume-se o plural: A temperatura chegou a 1,5 graus.

Anúncios
Dicas de Língua Portuguesa

Um comentário sobre “Dicas de Língua Portuguesa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s